notas fiscais empilhadas

Ser MEI, microempreendedor individual, exige alguns cuidados. Ainda mais se você acabou de ser CLT e agora se aventura pelo mundo dos negócios. Afinal, você agora é dono do seu tempo e dinheiro. Mas não se assuste, nem desanime. Tendo disposição e vontade de aprender, você pode ir muito longe com o seu negócio e brilhar muito em sua cidade, Estado, País e, por que não?, em todo o mundo.

O primeiro cuidado que você deve ter é com a emissão de notas fiscais. Todo MEI é obrigado a emitir NF a cada venda e prestação de serviço. Seja ela eletrônica ou em bloco de papel, o importante é não fazer nenhuma transação comercial sem a emissão da nota fiscal. É opcional, no entanto, a emissão de nota fiscal para o consumidor final (pessoa física), exceto se o consumidor exigir. Agora, se for adquirir mercadorias ou serviços para o seu negócio ou ainda oferecer o seu trabalho a empresas parceiras, jamais deixe de emitir o documento.

Se o produto adquirido por um cliente tiver de ser enviado via correio ou transportadora, é obrigatória a emissão da nota fiscal. As mercadorias enviadas sem ela correm o risco de ser apreendidas pela fiscalização tributária estadual ou federal. E você não quer correr esse perigo e acabar com a sua credibilidade, certo? Regularize todas as suas transações e seja reconhecido pelo seu trabalho.

MEI: imposto de renda, importação de produtos e contribuição sindical

Nenhum MEI é obrigado a declarar o imposto de renda de pessoa física (DIRPF). Isso muda se ele tiver outras fontes de renda, como aluguéis de imóveis e trabalho assalariado. Todo MEI deverá guardar as notas fiscais de suas compras e vendas por, no mínimo, 5 anos a contar da data de emissão.