Consórcio

O brasileiro não tem o hábito de guardar dinheiro, de acordo com pesquisa feita este ano pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC). Muitas vezes, isso acontece por falta de planejamento ou ferramentas disponíveis. O consórcio é uma forma menos burocrática de engordar o cofrinho e pode ser uma saída para quem tem dificuldade para investir em modelos mais complexos, como o Tesouro Direto.

Segundo o levantamento do SPC, somente 36% da população poupa uma parte do orçamento. Desse total, apenas 7% o faz de forma planejada. Por consequência, quando surgem imprevistos, muitos acabam inadimplentes e endividados.

Para o empreendedor, fazer uma reserva financeira é muito importante. Ele não é um trabalhador com carteira assinada. Portanto, não recebe benefícios trabalhistas como o FGTS. Além disso, seu próprio negócio precisa de suporte financeiro quando metas não são atingidas. Guardar dinheiro também é forma de se planejar para alcançar um objetivo específico, como comprar um imóvel, abrir nova filial da empresa ou adquirir maquinário.

Para guardar dinheiro sem precisar enfrentar as burocracias de um banco, muita gente escolhe fazer o consórcio.

O que é consórcio?

Consórcios são grupos de pessoas que se unem com um objetivo em comum: adquirir bens ou serviços, como tratamentos cirúrgicos, automóveis e imóveis. Todos os meses, os participantes depositam uma quantia em um fundo organizado por um administrador.

Mensalmente, é realizada uma assembleia do consórcio, quando um dos participantes recebe o direito de retirar a quantia armazenada. Por exemplo, se 15 pessoas participam com R$100 por mês, cada um terá o direito de tirar R$1.500 quando chegar a sua vez.

Geralmente, utiliza-se o sorteio para definir quem vai retirar o dinheiro do mês. No entanto, em momentos de necessidade, os participantes podem dar um lance e retirar algumas parcelas adiantadas. Muitos consórcios aplicam pequenos juros nas mensalidades. Portanto, quanto mais cedo o integrante retirar o dinheiro, menos ele receberá. Dessa forma, todos ficam mais motivados a aguardar pelo sorteio ao invés de retirar a quantia que lhe cabe com antecedência.

Todas as regras são definidas pelo grupo em contrato. Em certos casos, o dinheiro só pode ser retirado para um motivo específico, como compra de imóvel. Mas há consórcios em que não é preciso dar justificativa alguma. O objetivo é apenas fazer uma reserva financeira mais organizada e vantajosa.

A principal vantagem do consórcio é a disciplina para guardar o dinheiro, já que cada integrante se compromete a pagar a quantia estipulada pelo período combinado. Por outro lado, há situações em que o administrador cobra para armazenar os fundos. Porém, em qualquer tipo de investimento é preciso pagar uma taxa — geralmente para o banco.

O consórcio pode ser feito informalmente, entre colegas e amigos, ou com intermédio de administradoras especializadas nisso. A vantagem de fazer com amigos é transformar o ato de guardar dinheiro em algo divertido. As assembleias para decidir o contemplado do mês podem ser feita durante um jantar ou evento prazeroso. No entanto, é preciso confiar nos envolvidos para que tudo corra sem imprevistos.

O consórcio funciona de forma similar à poupança — outra forma bastante simples de fazer uma reserva financeira. Mas o objetivo dessas duas modalidades é apenas economizar, sem fazer o dinheiro render bastante. Quem deseja multiplicar a renda através de investimentos deve pesquisar ferramentas como o Tesouro Direto e o CDB (Certificado de Depósito Bancário).