agiota

Pegar dinheiro com agiota pode parecer uma solução rápida e fácil, livre de burocracias, já que não é preciso comprovar renda para conseguir o empréstimo. Mas fique atento: os juros são muito mais altos do que os cobrados por bancos, entre outros problemas.

Quem contrai dívida com agiota cria um problema para o futuro. Os juros são abusivos e, muitas vezes, o agente ameaça, tenta agredir e até extorquir o devedor para receber o dinheiro de volta. Além disso, agiotagem é crime. Emprestar dinheiro sem autorização do Banco Central é uma prática ilegal, com pena de detenção prevista em lei.

Por que, então, pessoas pegam dinheiro com agiota?

O consumidor endividado ou com nome sujo costuma ser o principal alvo do agiota. O agente não pede comprovação de renda, não faz consulta de crédito e não exige fiador para o empréstimo do dinheiro. À primeira vista, parece uma solução caída dos céus.

Quem está em situação emergencial também sucumbe ao agiota. Bancos podem demorar longos períodos para liberar empréstimos – isso quando liberam. Já o agiota “resolve” o problema bem rápido.

O empreendedor também pode ser um alvo fácil para o agiota. Afinal, manter uma empresa custa dinheiro e nem sempre é fácil manter todas as contas em dia. Para pagar funcionários, fornecedores, aluguel, água, luz, contador e tantas contas, há quem recorra ao agiota.

Riscos sérios de pegar dinheiro com agiota

A maioria dos bancos cobra menos de 10% de juros. Já o agiota pode cobrar até 40%. Enquanto o devedor não consegue pagar o total do empréstimo, mesmo que pague um pouco por mês, a dívida aumenta de forma incontrolável e vira uma bola de neve.

Por exemplo, se você pegar um empréstimo de R$2 mil, com juros de 20%, sua dívida aumenta para R$2.400 já no mês seguinte. Se pagar uma parcela de R$200 no primeiro mês, ainda terá R$2.200 de dívida, sobre a qual incidem mais 20% de juros (R$440), aumentando o valor devido para R$2.640 no mês seguinte.

Se você pagar R$200 por mês, ao final de um ano o empréstimo de R$2 mil terá se transformado em uma dívida de quase R$10 mil. Já pensou se os juros fossem ainda maiores, tipo 40%?

Pegar dinheiro com agiota tem outro problema: além de cobrar juros abusivos, ele costuma pedir joias ou bens como garantia. Caso você não consiga pagar a dívida em um determinado período de tempo, poderá perder seu carro e até seu imóvel. Se tiver uma empresa, ele pode confiscar seus produtos, veículo que usa para transporte e assim por diante. Já imaginou? Além de perder os bens, ficará sem o ganha pão. Portanto, será mais difícil sair do buraco e quitar a dívida.

Os agiotas pedem garantias porque não podem cobrar o devedor na justiça caso o pagamento não seja feito. Afinal, o empréstimo foi feito de forma ilegal e não há contrato firmado por escrito. Os bens dados como garantia são alvo de extorsão por parte desses agentes.

Como não há contrato assinado, o agiota pode mudar os termos combinados a qualquer momento. Vocês podem combinar certa taxa de juros, mas caso não esteja conseguindo pagar, o agente poderá ameaçar tomar seus bens ou te extorquir.

Antes de recorrer a um agiota é preciso levar todos esses riscos em conta. Mesmo em situação de urgência, o correto é pesquisar por empréstimos com taxas reduzidas de juros ou pensar em segundas opções, como vender o carro ou pedir ajuda de algum parente ou amigo.

Se você já está encontrando dificuldades para honrar as dívidas que tem agora, será ainda mais difícil pagar um empréstimo com juros abusivos a longo prazo. No final das contas, pegar dinheiro com agiota não resolve o problema: causa outro.