Não importa o tipo de negócio que você tem ou que está pensando em abrir: uma das coisas mais importantes na hora de organizar a casa para brilhar é conhecer muito bem o seu público -alvo.

Se você não sabe para quem vai vender, acaba gastando energia, tempo e até dinheiro à toa. Vender um produto ou serviço sem saber quem vai comprar é como mirar em um alvo de olhos fechados. E ao tentar alcançar todo mundo, acabamos não alcançando ninguém.

Por que é importante pensar no seu público-alvo

Antes de mais nada, imagine que o seu produto ou serviço tem que existir para resolver algum problema ou ajudar alguma necessidade que você está vendo brotar por aí. Quanto antes você enxergar essas oportunidades (e quanto menos pessoas já estiverem trabalhando nisso), melhor para você e para o seu negócio. Certo?

Mas não se engane: o que importa, na verdade, são as pessoas, e nem tanto as ideias. É exatamente no seu cliente que você deve focar na hora de vender o que você faz, e n ão no problema ou na oportunidade. Entende? Afinal, são elas que vão pagar pelo que você quer vender. Esse é o jeito mais fácil de demonstrar que o seu produto ou serviço tem, sim, muito valor.

Quando você descobre exatamente onde está mirando, o seu negócio passa a ter uma bússola, que começa a influenciar todas as etapas do seu trabalho. Desde a escolha da matéria­ prima, o jeito como você se comunica com o seu cliente ou tipo de pós-­venda que você faz: nunca tire o seu cliente da cabeça.

Quem NÃO é o meu público­-alvo?

Às vezes nos deixamos levar por uma ideia muito legal ou uma oportunidade que cai no nosso colo, e não paramos para pensar nisso com cuidado. É muito comum se imaginar no papel dos nossos clientes, mas muitas vezes n ós não fazemos parte desse público­alvo (ou t arget, como empreendedores costumam chamar). P ortanto, cuidado! Essa é uma armadilha perigosa. Não espere que os consumidores pensem com a sua cabeça, nem entendam de cara o que você está propondo, mas você pode (e deve!) se colocar no lugar deles sempre: qual é o jeito mais fácil de influenciar essas pessoas?

Mas então quem é esse cliente?

Pense bastante em quem são as pessoas que têm esse problema que você pode solucionar. Invista seu tempo nisso. No começo, tente ser o mais genérica possível. Imagine que você quer abrir uma lavanderia. Conversando com amigos, percebeu que homens solteiros que passam o dia trabalhando não costumam ter tempo de lavar suas próprias roupas. Esse cliente potencial pode precisar da sua lavanderia, mas você vai acertar em cheio se oferecer um serviço de entrega e retirada para facilitar a vida dele, por exemplo. Essa é uma forma de pensar no seu negócio do ponto de vista do seu cliente ­ e você ainda pode ir bem mais além.

Existem várias ferramentas que podem ajudar você a descobrir o seu público­alvo e uma delas é o Mapa de Empatia. É uma ferramenta super útil e facil de usar que serve como um guia para desenhar (do jeito mais realista possivel) o seu futuro cliente.

E aí? Você sabe (mesmo) para quem quer vender?