planejar o ano

Dezembro e janeiro são os melhores momentos para rever o que deu errado no passado e traçar metas realistas para 2018. Planejar o ano pode ser a motivação que você precisa para dar um novo gás no seu negócio e ter um retorno positivo nos próximos 12 meses.

Se 2017 não foi bom para a sua empresa, não desanime.  Você tem doze meses de novas oportunidades pela frente. Para começar com o pé direito, reveja erros e acertos, organize sua agenda, trace um plano de crescimento, planeje-se para datas importantes e bote suas finanças em ordem.

Como planejar o ano

1- Reveja o que deu certo e o que deu errado no ano anterior

Avaliar os últimos 12 meses vai te ajudar a não cometer os mesmo erros e a identificar os acertos. Se você tem um restaurante, por exemplo, veja se valeu a pena abrir nos feriados. Caso tenha sofrido prejuízo, já se planeje para fechar as portas nesses dias. Também é interessante reavaliar o desempenho de promoções, opiniões de clientes, produtos mais vendidos e o que ficou encalhado no estoque.

Reavaliar pontos positivos e negativos serve para tudo. Se tem funcionários, entenda se é preciso aumentar o time, ou se os gastos estão altos e será preciso demitir alguém. Infelizmente, faz parte do trabalho. Também reavalie seu relacionamento com eles, a distribuição das tarefas e o nível de motivação.

Se trabalha com fornecedores, analise os problemas. Se algum deles foi muito caro, atrasou as entregas ou trouxe qualquer tipo de dor de cabeça, prepare-se para substituí-lo.

Avaliar seu próprio desempenho também é importante. Reveja quanto tempo dedicou ao seu negócio e se é preciso mudar a forma como conduz as coisas. Se você foi extremamente organizado no ano passado, esse é um ponto positivo que deve ser mantido. Se foi desorganizado e esqueceu de pagar contas no prazo, por exemplo, prepare-se para evitar que o mesmo erro seja cometido.

2 – Tenha uma agenda

Ter uma agenda organizada vai te ajudar a cumprir metas e a não perder compromissos importantes. Também vai evitar que esqueça de pagar contas. Se você ainda não tem esse hábito, janeiro é o melhor momento para pegar o ritmo.

Organizar os compromissos e deveres em uma agenda também pode te dar motivação para começar o ano. Se preferir, compre uma na papelaria e vá anotando o que é mais importante à mão. Não se esqueça de manter uma agenda online, usando o calendário do Google, por exemplo (Google Calendar). Ele envia lembretes, como “reunião com o cliente em uma hora” ou “última data para pagar a parcela do empréstimo”.

3 – Faça um plano de crescimento

Quando você está perdido, sem energia ou com medo de dar o próximo passo, ter um plano de crescimento serve como uma bússola que te guia em direção ao melhor caminho. Ele te faz olhar para o futuro com realismo e responsabilidade.

Se você já tem empresa aberta, siga o plano inicial e faça ajustes necessários, de acordo com o aprendizado feito ao analisar erros e certos.

O novo ano também é uma boa oportunidade para reavaliar seu plano de crescimento e traçar novas metas. Primeiro, responda duas das principais perguntas: “como aumentar o faturamento” e “como abaixar o custo”. Quais gastos são desnecessários e podem ser cortados?  Quais são as melhores datas, serviços e produtos para investir?

O fundamental é ser realista e planejar onde se quer chegar este ano. Não trace metas ambiciosas a ponto de serem impossíveis, e veja até onde pode arriscar. Se o seu objetivo é abrir outra unidade do seu salão de beleza até julho, por exemplo, trace um plano para entender se isso é possível e quais passos precisa seguir para ter sucesso.

4 – Planeje-se para datas importantes para o seu negócio

Datas comemorativas e estações do ano podem afetar o desempenho. Todo negócio está sujeito à sazonalidade, ou seja, vender mais ou menos em certos períodos. Se você tem uma loja de biquínis, por exemplo, terá maior movimento perto do verão. Se vende chocolates, a páscoa será o melhor momento para produzir mais.

Pegue um calendário e marque as datas importantes para o seu negócio, assim como as datas perigosas, quando o faturamento certamente irá cair. Se você tem uma sorveteria no sul do país, menos clientes irão aparecer em julho, quando está frio. Trace um plano para reduzir o prejuízo e acabe 2018 realizada e feliz.

5 – Faça pesquisas de satisfação com os clientes

Se você sente que trabalhou muito, mas não obteve o retorno esperado, fique esperto: seu negócio pode não estar atendendo as expectativas dos clientes. Para acertar em cheio no próximo ano, faça a pesquisa de satisfação para entender o que precisa melhorar.
A pesquisa de satisfação ajuda o empreendedor a tirar dúvidas como: Será que os clientes foram bem atendidos? Voltariam a comprar na loja, ou recorrem a outro estabelecimento? Com qual frequência frequentam meu negócio? Em quais produtos não vale mais a pena investir?
Além de indicar novas direções para o caminho da empresa, a pesquisa dá ao empreendedor as informações necessárias para a fidelização de clientes. Fidelizá-los é a melhor forma de manter o crescimento da empresa. Veja
quatro formas
de executar a pesquisa.

6 – Faça o balanço patrimonial

O final do ano é a melhor oportunidade para o empreendedor reavaliar a saúde financeira do seu negócio. O balanço patrimonial é a melhor forma de fazer isso, pois revela se a empresa foi lucrativa ou não em determinado período de tempo.
Para fazer o balanço patrimonial, é preciso levantar os ativos (
pagamentos a receber de clientes, impostos a recuperar, estoques, crédito junto a sócios, retorno de investimentos, móveis e imóveis) e passivos da empresa (Pagamentos a fazer para funcionários e fornecedores, obrigações trabalhistas (décimo terceiro, FGTS e outros benefícios), pagamento de empréstimos, obrigações tributárias e contas fixas).
Subtraia o total dos passivos do total de ativos e analise o resultado. Se for positivo, significa que a empresa lucrou e está saudável. Do contrário, é preciso reavaliar o que deu errado e fazer um novo planejamento.

7 – Reveja tarifas e impostos

Será que você está pagando mais impostos do que deveria? Quem determina a quantidade e o valor dos tributos é o governo, mas isso depende da categoria na qual sua empresa está inserida. Quem é MEI, por exemplo, paga apenas o DAS mensalmente. Consulte o contador para entender se o seu negócio está enquadrado na categoria certa ou se é hora de mudar de estratégia.
O mesmo vale para tarifas bancárias. Empreendedores precisam lidar diariamente com os bancos e, muitas vezes, acabam adquirindo planos que oferecem mais produtos do que o necessário. Será que a empresa emite tantos extratos por mês ou faz uma quantidade tão grande de DOCs e TEDs? Veja aqui
7 dicas
para economizar os gastos com essas taxas.

8 – Feche novas parcerias

Se você vende todos os produtos ou serviços por conta própria e não está obtendo o retorno esperado, chegou a hora de fechar parcerias com outras lojas e empresas para que elas vendam e divulguem seu trabalho.
Há depiladores e profissionais de estética que alugam salinhas nos fundos de lojas de roupas femininas para que os dois negócios compartilhem os clientes e deem apoio mútuo, por exemplo. Outra forma bastante comum de fechar parceria é oferecer seus produtos para lojas de conveniência, mercadinhos e padarias. Os estabelecimentos promovem a venda e ganham uma porcentagem.
Por fim, há o tipo de parceria em que duas lojas entram em acordos para oferecer descontos a clientes que adquirem produtos e serviços em ambas. Academias, por exemplo, pode fazer acordos com lojas de produtos naturais. Veja
7 dicas
para fechar parcerias e aumentar os lucros.

9 – Use aplicativos que organizam a vida

Certos aplicativos para celular ajudam o empreendedor a organizar sua rotina, criar listas, gerenciar planilhas, pagar as contas, administrar as finanças, fazer ligações mais baratas e até assinar documentos. Descubra aqui
10 apps
que irão fazer a diferença na sua vida durante o ano que está por vir.