mulher dentro de loja mexendo em tablet junto com sócio
Muitas vezes, para fazer o seu negócio crescer, você sente que precisa da ajuda de uma outra pessoa com quem possa dividir os custos e as responsabilidades. O nome disso é sociedade, ou seja, uma relação profissional que se estabelece entre um ou mais parceiros, que juntos têm participação nas decisões da empresa e também nos lucros. Porém, escolher seus sócios não é um trabalho tão simples assim. Você vai precisar analisar bem os prós e contras em convidar aquele amigo, parente ou desconhecido para fazer parte do seu time.

No livro “Nasce um Empreendedor”, os especialistas Bob Wollheim e Dony De Nuccio destacam que o mais importante a se fazer na hora de escolher quem fará parte da sua sociedade é: ter a certeza de que o seu sócio compartilha os mesmos valores que você. Isso significa ter os mesmos princípios éticos, valores morais, visão de mundo e objetivos de vida. Por exemplo, vamos imaginar que o seu negócio tem como matéria-prima a utilização de materiais sustentáveis para a confecção de peças de roupas. Então, você convida um amigo de infância que estudou moda e que você acha que vai ser produtivo tê-lo ao seu lado, mas ele não está preocupado com a origem dos tecidos para a fabricação. Isso seria um problema pra você, já que todo o seu negócio foi pensado para ser sustentável, certo?

Para evitar esse tipo de problema, você deve analisar bem os perfis de pessoas que pretende convidar para a sociedade. Não é porque ele é seu melhor amigo de infância, que isso se justificará para que faça parte do seu negócio. “É importante tomar alguns cuidados. São várias as histórias de sociedades que acabam em brigas judiciais e destroem, além do negócio, a amizade”, escreve a dupla de especialistas no livro. “Mas também é muito abundante o número de exemplos de parcerias que dão certo e ajudam a impulsionar o empreendimento.”

Prós e contras de uma sociedade

Entre os pontos positivos de se ter um sócio estão dividir os riscos, ter com quem compartilhar ideias, diminuir a solidão da administração e agregar um perfil que seja complementar ao seu. Esse último item, aliás, é essencial, de acordo com Bob e Dony. Se você tem um perfil mais voltado para a organização das finanças, por exemplo, pode ser que precise da ajuda de alguém que seja capaz de fazer novos contatos para prospecção de clientes. Assim, vocês serão capazes de se complementar e fazer do seu negócio um sucesso de crítica e público.

Já entre os pontos negativos estão o fato de que as decisões podem ficar mais lentas, pois para cada uma delas será sempre necessário chegar a um acordo, pode haver visões completamente diferentes, que travarão algumas negociações, e problemas de convivência pessoal podem aparecer. Antes de fechar uma sociedade, portanto, tenha claro o motivo que está levando você a querer que ele seja seu sócio – e o motivo pelo qual ele também quer você como sócio. Tendo tudo isso em mente, sua sociedade deve render bons frutos e o seu negócio estará pronto para brilhar!