Carrie Crawford Smith

Em 1918, a empreendedora Carrie Crawford Smith tomou uma iniciativa que não mudou apenas a sua vida, mas também a de inúmeras mulheres negras que tinham dificuldade para encontrar trabalho nos Estados Unidos. Ela criou uma agência de empregos direcionada para o público que sofria mais preconceito no início do século 20: as mulheres negras.

Carrie foi uma mulher negra nascida no estado do Tennessee, nos Estados Unidos, em 1877. Ela foi educada em uma universidade historicamente negra, a Fisk University. Lá, decidiu que era privilegiada por receber uma educação de nível e deveria encontrar uma forma de criar oportunidades para quem não teve as mesmas chances.

Em 1918, mudou-se para um subúrbio de Chicago, uma cidade localizada na região centro-oeste dos Estados Unidos. Naquela época, muito afro-americanos deixavam a região sul do país para encontrar emprego em outros locais. No entanto, devido ao preconceito, as chances não eram as melhores.

Para ajudá-los, Carrie decidiu abrir uma agência de empregos focada nesse público. A empreendedora não discriminava: também encontrava vagas para brancos e indivíduos de outras etnias. No entanto, seu objetivo era apoiar os negros que chegavam a Chicago aos montes.

O negócio de Carrie cresceu rapidamente, pois havia uma alta demanda por empregados domésticos na região. Ela logo percebeu que pessoas brancas preferiam empregar negras para tarefas do lar – o que revela quão preconceituosa era a sociedade na época.

Com o número crescente de mulheres negras procurando trabalho fora da região sul, o negócio chegou a se tornar a melhor agência para contratar empregados domésticos. Tanto sucesso permitiu que criasse regras junto aos clientes para que tratassem os funcionários com respeito, decência e dignidade.

Os clientes eram selecionados a dedo e só continuavam na agência se seguissem as regras. Isso ajudou a promover o progresso dos afro-americanos e a proteger as empregadas domésticas.

Sucesso além do empreendedorismo

O negócio de Carrie não se tratava apenas da geração de empregos, mas também da promoção de igualdade racial. Ela se tornou uma figura bastante conhecida na comunidade negra e instituiu padrões que deveriam ser aceitos por qualquer um que desejasse contratar profissionais na sua agência.

Durante sua jornada empreendedora, manteve uma forte visão de igualdade e moral, intercedendo sempre que havia casos de maus tratos. Ela também se destacou em uma época em que as mulheres raramente eram educadas fora do mundo doméstico e conduziam seus próprios negócios.

Vida pessoal de Carrie Crawford Smith

Pouco se sabe sobre a vida pessoal de Carrie, mas especula-se que seu marido tenha a deixado sozinha para criar a filha quando o negócio da esposa começou a crescer, enquanto sua própria vida profissional despencava.

A empreendedora supôs que fosse difícil para um homem do início do século 20 ficar ao lado de uma mulher de negócios bem-sucedida e educada. Afinal, quando tinha quatro anos, seu próprio pai a deixou. Ele batia na mãe de Carrie e, quando ameaçou agredir a filha, foi posto para fora de casa.

Carrie foi uma sobrevivente, perseverou e fez a diferença em sua comunidade. No Brasil, há milhares de mulheres igual a ela. Você conhece alguma ou é uma delas?